Trama: indústria criativa em revista ISSN 2447-7516, Vol. 7, No 1 (2019)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

A transgressão cooptada: justaposições entre grafite, arte e design

Hely Geraldo Costa Júnior

Resumo


A prática do grafite, por muito tempo, marcada pela transgressão e pela marginalidade, alcança hoje grande notoriedade e, sobretudo, aceitação nas grande cidades e centros urbanos: por interferências e poderes diversos, criou-se uma cultura intensa de valorização da prática e do produto do grafite, na qual os modelos econômicos passaram a influenciar, em grande parte, a forma, o local e seu modo de produção e exibição. Os domínios econômicos e subversivos, aparentemente contraditórios, passaram a associar-se de forma intrínseca e muitos grafiteiros adequam-se, pouco a pouco, ao modo de produção capitalista, renunciam à clandestinidade, ganham fama, status de artista ou designer e tornamse corpos dóceis, forças produtivas para a sociedade e o grafite se torna uma mercadoria e se justapõe à arte e ao design.

Texto Completo: PDF

ISSN 2447-7516

Contato: revistatrama@estacio.br